Como funciona um desmanche de carros e por onde começar?

Está pensando em abrir um desmanche de carros, mas não sabe por onde começar? Antes de falarmos sobre isso, você precisa saber como funciona um desmanche de carros.

Diferente de um ferro velho, onde o proprietário pode vender todo tipo de sucatas e recicláveis (papelão, alumínio, cobre, etc).

No desmanche de carros, o proprietário coloca o seu negócio focado na compra de sucatas de leilão e na venda de peças usadas desses veículos.

Como funciona um desmanche?

desmanche como funciona

Muitas pessoas acreditam que para iniciar um desmanche é preciso apenas comprar carros, fazer o desmanche e começar a comercializar as peças do veículo.

Na teoria é basicamente isso mesmo, mas na prática não funciona assim.

Com as novas regras do Detran é necessário que todos os veículos tenham nota de entrada e baixa definitiva junto ao Detran.

Caso você tenha comprado uma sucata de leilão (Veja mais na sessão de legalização do desmanche), o veículo já terá o documento baixado e você já poderá fazer o desmanche do veículo.

Por outro lado, se você fizer a compra de carros particulares, seja por acidente de veículo não segurado ou simplesmente para retirar o veículo de circulação, você somente poderá começar a mexer no veículo após a solicitação da baixa junto ao Detran, que tem um período médio de 05 dias úteis.

Outro ponto importante é que a baixa é concedida somente para veículos que estejam com a documentação em dia, ou seja, sem multas, débitos de IPVA, DPVAT, etc.

Separação e higienização das peças

Agora que você leu um resumo de como funciona um desmanche, vamos para a sessão de higienização das peças.

Após estar com a baixa em mãos, chegou a hora de colocar a mão na massa e começar a desmanchar o veículo, que normalmente tem um pouco mais de 200 peças.

Empresas pequenas costumam desmontar todo o veículo e deixar somente a carcaça. Já os maiores fazem o desmanche das 49 peças rastreáveis (Falarei um pouco mais sobre isso no próximo tópico) e o resto vão desmontando conforme vão vendendo as peças.

Após a retirada, é preciso fazer a qualificação das peças, onde você deve separar as peças por “Pronta para vender, recuperável e irrecuperável”.

Quando irrecuperável, você ainda precisa fazer uma nova qualificação. Descarte para o lixo ou venda como sucata, no caso de metais e plásticos.

Terminada a qualificação, chegou a hora de fazer a higienização das peças e depois guardá-las organizadamente no estoque.

DICA: Na hora de guardar as peças de um carro no estoque, você pode colocar números nas caixas. No computador, criar uma planilha no excel, listar todas as peças do carro em questão e ao lado do nome da peça, colocar o número da caixa onde ela está guardada.

Por exemplo: Painel de instrumentos Mercedes C180 2012 – Caixa 11

Depois de estar com as peças devidamente higienizadas, você terá um prazo de 05 dias para registrar tudo no banco de dados do Detran do seu estado. Isso garante que peças roubadas não circulem no mercado de peças usadas.

Peças rastreáveis x peças não rastreáveis

peças rastreaveis e nao rastreaveis desmanche

Atualmente o Detran lista 49 peças como sendo rastreáveis. No entanto, um carro normalmente tem mais de 200 peças para serem desmontadas.

Hoje em dia, existem diversos sistemas para desmanches que fazem o trabalho de separar as peças rastreáveis das não rastreáveis.

As peças rastreáveis são as mais importantes do carro, incluindo: bloco do motor, cabeçote, alternador, caixa de câmbio, retrovisor, painel de instrumentos, dentre outras.

Importante: Nem todos os estados exigem a “lei dos desmanches”. Se você mora no Paraná, por exemplo, você não precisa registrar as peças dos veículos comprados junto ao Detran.

Por outro lado, no estado de São Paulo, por exemplo, a lei está em vigor e você precisa seguir todos os procedimentos das peças rastreáveis.

E as peças não rastreáveis?

As peças não rastreáveis geralmente são acabamentos e outras peças de menor valor ou que não costumam vir em todos os veículos. Nesse caso, você pode fazer a inserção manualmente na hora de cadastrar o veículo em seu sistema.

Falando em peças para carros, já conhece a ferramenta Procuro Autopeças? Que permite que você solicite até 50 orçamentos de peças gratuitos ao mesmo tempo.

Como vender as peças?

Por fim, a última sessão de como funciona um desmanche de veículos, falaremos sobre as vendas.

É obrigatório que você tenha um sistema para emissão das notas fiscais eletrônicas, seja para dar entrada no veículo ou para fazer a venda das peças.

Não é necessário utilizar um sistema próprio para desmanches, por mais que facilite o trabalho. Você também pode utilizar sistemas que funcionam online e geralmente são bem mais em conta.

O procedimento de venda das peças usadas é bem simples. Após ter feito o registro de entrada do veículo, procure pela peça cadastrada em seu sistema e vincule a nota fiscal junto ao CPF ou CNPJ do cliente.

Caso o cliente esteja comprando uma peça não rastreável, ou seja, uma peça que não foi cadastrada automaticamente, você pode fazer a vinculação junto ao veículo e emitir a NFe normalmente.

Na hora da venda você precisará emitir nota fiscal eletrônica de cada peça vendida e todos os documentos dos veículos desmontados precisarão ser guardados por 10 anos.

No caso da venda de peças que são irrecuperáveis, não é necessário fazer a emissão de notas fiscais, já que se trata de materiais sucatas.

No blog do Repasse autopeças tem um artigo bem bacana sobre como aumentar as vendas.

Uma outra opção que pode servir para você é fazer repasse de autopeças usadas. Um mercado que vem crescendo bastante nos últimos meses e que permite que você venda sem ter estoque, investir em peças ou ter empresa fixa. 

Na próxima postagem, você vai aprender como abrir e legalizar o seu desmanche.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.